terça-feira, 27 de julho de 2010

O gorila invisível

O gorila invisível Depois de "ganhar" o IgNobel em 2004, um prêmio pelas pesquisas aparentemente mais despropositadas do mundo, psicólogos norte-americanos avançam com estudo sobre a atenção humana e mostram como as pessoas, muitas vezes, não conseguem perceber o que ocorre bem à sua frente






Paloma Oliveto
Publicação: 25/07/2010 09:26 Atualização: 25/07/2010 09:38

No vídeo, há dois times de basquete. Ao espectador, é pedida uma tarefa simples: contar quantas vezes os jogadores da equipe de branco trocam a bola entre eles. Na metade do filme, um gorila invade a cena durante nove segundos e, olhando para a câmera, bate no peito. Quando se pergunta às pessoas se, confrontadas com essa cena, elas perceberiam a interferência do primata, é certo que todas vão dizer que, sem dúvida, o notariam. Afinal, parece óbvio que ninguém deixaria passar uma cena como essa. Isso, porém, não é verdade. O teste realmente ocorreu nos Estados Unidos, e nada menos que a metade dos espectadores não se deu conta da presença do gorila.

O vídeo ficou famoso não só entre o público mas, na década de 1990, tornou-se um ícone das pesquisas em psicologia. Padres, professores, caçadores de terroristas e profissionais de recursos humanos passaram a usá-lo em dinâmicas de grupo. Até o seriado policial C.S.I mencionou o experimento em um episódio. A ideia era mostrar quão falha é a atenção humana. Mesmo quando algo completamente inesperado ocorre, a pessoa é capaz de não perceber algo que acontece bem na frente dela.

A experiência foi realizada pelos psicólogos Christopher Chabris e Daniel Simons, que se conheceram na Universidade de Harvard, onde começaram a fazer testes científicos. Eles já foram motivo de piada — em 2004, receberam o prêmio Ig Nobel em Psicologia — uma sátira ao Nobel —, que elege as pesquisas mais aparentemente sem nexo do mundo. A própria brincadeira, porém, reconheceu a importância do vídeo produzido pela dupla. Eles foram premiados por uma “realização que primeiro faz as pessoas rirem e, depois, as faz pensar”.

Chabris, Ph.D em Harvard e atualmente professor do Faculdade Schenectady, e Simons, também Ph.D e professor do Departmento de Psicologia da Universidade de Illinois, voltaram a se debruçar sobre o gorila invisível. O resultado do estudo foi publicado na primeira edição da nova revista especializada i-Perception, que aborda temas da psicologia. O experimento também virou um livro, The invisible gorilla, que será publicado no Brasil no próximo ano, e um site (www.theinvisiblegorilla.com).

Dessa vez, Chabris e Simons foram além. Eles queriam, novamente, provar que o ser humano não é tão atento como imagina. Assim como no vídeo anterior, uma equipe de jogadores aparece trocando a bola e o gorila irrompe na cena. As pessoas que assistiam sabiam que o primata estaria lá — elas já conheciam o filme da década de 1990, disponível no YouTube. O que os pesquisadores queriam era testar se, ao saber que um evento inesperado — no caso, a presença do macaco — está prestes a acontecer, o homem consegue detectar outras ocorrências imprevisíveis. Mais uma vez, as “pegadinhas” dos cientistas passaram despercebidas. “O estudo mostra que, mesmo quando sabemos que um evento inesperado pode ocorrer, continuamos perdendo coisas que estão acontecendo bem na nossa frente”, disse Simons em entrevista ao Correio.

Desatenção constante
No novo experimento, 76 indivíduos tiveram de assistir ao vídeo e foram instruídos a contar quantas vezes os jogadores de branco passaram a bola. Depois disso, responderam a outras perguntas: “Você percebeu algum evento inesperado durante o vídeo? Se sim, descreva; você já ouviu falar ou já assistiu a um filme como esse antes? Se sim, descreva o que aconteceu; no vídeo que você acabou de assistir, você percebeu algum desses fatos: uma pessoa vestida de gorila, uma pessoa vestida de pirata, uma pessoa vestida de coelho, uma mudança no cenário da cortina, uma mudança no número de jogadores, uma mudança no número de bolas e uma mudança na cor da bola?”

As perguntas não foram feitas sem propósito. De fato, algumas dessas coisas aconteceram no vídeo, enquanto os espectadores precisavam se concentrar no número de vezes em que os jogadores trocavam a bola. Embora o pirata, o coelho, a mudança de cor e a quantidade de bolas fossem pistas falsas, o cenário da cortina realmente foi alterado, assim como o número de jogadores.

Apenas três pessoas em toda a pesquisa conseguiram descrever a mudança na cortina ou a alteração na quantidade de jogadores. Dos 76 participantes, 26 já haviam assistido ou ouvido falar no primeiro vídeo e 50 desconheciam completamente a entrada do gorila. Depois de Simons excluir 12 pessoas por terem contado errado o número de passes ou terem reportado um evento que não aconteceu, o grupo de pesquisa caiu para 56 participantes. Desses, 41 não conheciam o primeiro filme do gorila invisível. Entre eles, 46% não perceberam a presença do primata, enquanto que 100% dos que já tinham assistido ao vídeo anterior detectaram a aparição do macaco. Nos dois grupos, 11% perceberam a mudança na cortina e 16% viram que o número de jogadores do time vestido de preto mudou. Mas somente um participante foi capaz de detectar os dois eventos.

Outra constatação dos pesquisadores foi a de que, apesar de as pessoas que já sabiam da aparição do gorila terem, obviamente, percebido melhor a presença do macaco, elas foram menos capazes de prestar atenção nos outros eventos inesperados, comparando-se às que não sabiam que o personagem iria invadir a cena. “Observando apenas os 23 indivíduos em cada grupo que percebeu o gorila, os que não tinham familiaridade com a imagem foram duas vezes mais capazes de perceber os outros acontecimentos. Isso sugere que o conhecimento de que um evento pode ocorrer não aumenta a concentração das pessoas de modo que possam detectar outras coisas inesperadas”, diz o estudo.

Segundo Simons, na vida real isso quer dizer que o ser humano pensa que consegue captar tudo que ocorre à sua volta e não tem noção do quanto pode ser desatento. “Isso pode explicar por que as pessoas continuam dirigindo e falando ao celular ao mesmo tempo, mesmo que isso reduza dramaticamente suas chances de perceber eventos inesperados na pista”, afirma Simons.


 - (Arquivo Pessoal)
Três perguntas para David Simons

O que esse estudo revela sobre a intuição humana?
Em nosso livro (The invisible gorilla, que será editado no Brasil em 2011), discutimos o que chamamos de ilusão da atenção. As pessoas acreditam firmemente que vão perceber qualquer evento inesperado que ocorrer na frente delas. Nós acreditamos que olhar para algo já garante que conseguiremos notá-lo. Infelizmente, essa intuição está errada. As pessoas geralmente falham ao perceber eventos inesperados, mesmo quando estão olhando para eles. Uma razão de termos essa falsa intuição sobre como nosso cérebro trabalha é que nossa experiência do dia a dia nos leva a essa conclusão errada. Mas só nos tornamos atentos quando, de fato, o percebemos. Como resultado, acreditamos que conseguimos notar todos os eventos inesperados que acontecem à nossa volta. Muito da nossa intuição sobre como a mente trabalha está errada, da mesma forma. Nosso livro faz distinção de seis situações cotidianas nas quais passamos pela ilusão da atenção e o que fazemos é tentar explicar como e por que essas intuições estão erradas.

Qual é a aplicação prática do estudo que o senhor publicou no periódico especializado I-Perception?
O estudo mostra que, mesmo quando sabemos que um evento inesperado pode ocorrer, continuamos perdendo coisas que estão acontecendo bem na nossa frente. Saber que um vídeo foi gravado justamente para nos mostrar como podemos não perceber esses eventos inesperados não nos ajuda a prestar atenção em outros fatos que também não estamos esperando. O estudo é mais uma demonstração de como nossa intuição sobre a atenção pode errar. O fato de as pessoas não perceberem quão limitada é sua atenção pode significar que elas frequentemente vão assumir que só estão atentas para o que de fato importa. Isso pode explicar por que as pessoas continuam dirigindo e falando ao celular ao mesmo tempo, mesmo que isso reduza dramaticamente suas chances de perceber eventos inesperados na pista.

Apesar de não sermos capazes de detectar eventos inesperados, nosso inconsciente os percebe?
Essa é uma questão importante e que ainda está aberta ao debate. Nosso inconsciente, na verdade, não percebe alguma coisa, já que perceber implica estar atento. É mais como um processo mental. É possível, e de fato há algumas evidências de que palavras não vistas podem ativar algum processo cerebral mesmo quando as pessoas não se lembrem delas ao verem novamente. Isso quer dizer que, se realmente esse efeito do inconsciente existe, ele será muito pouco relevante em termos práticos.

Dicas simples que podem fazer você se sentir mais alegre


1-Conecte-se com outras pessoas
Seres humanos são animais sociais e estabelecer ligações com outras pessoas é vital para a saúde mental.Isso significa que todos devem tomar algum tempo de seu dia para desenvolver sua relação com pais,amigos,colegas e vizinhos.

2-Seja ativo
Saúde mental e saúde física são correlatas. Manter uma boa forma física pode melhorar o desenvolvimento mental.Esporte,dança ou qualquer atividade física estimula o físico e o cérebro.

3-Perceba o seu ambiente
Existe uma evidência cada vez maior de que um engajamento completo com o mundo - o ambiente em que se vive - é importante para a saúde mental. É interessante notar o que há ao seu redor: uma bela árvore,um vento fresco,um almoço demorado,uma conversa,etc.

4-Aprenda
É muito importante manter a sua mente ativa e em constante desenvolvimento.Mas não é necessário se matricular em uma universidade para isso. Consertar uma bicicleta,aprender a tocar um instrumento musical,cozinhar algo diferente - tudo isso pode trazer satisfação.

5-Colabore com vizinhos e comunidade
Pode parecer estranho dizer que colaborar com outras pessoas pode ser bom para a sua própria saúde mental,mas é isso que a ciência nos diz. Pessoas que disponibilizam o seu tempo e energia para outros parecem ganhar níveis mais altos de bem-estar e felicidade.
Fonte: Dr. Peter Kinderman, professor inglês de psicologia clinica

terça-feira, 20 de julho de 2010

O PRINCÍPIO 90/10


Um Princípio é algo que é observado na natureza e que é transmitido na forma de uma hipótese, uma teoria.
É preciso que muitas pessoas o experimentem, que realizem testes e que comprovem para si mesmos os resultados.
Isso dá ao experimentador a certeza íntima de que o princípio é verdadeiro, que está submetido à uma Lei geral, como a gravidade, por exemplo.
Vale a pena tentarmos aplicá-la e passarmos adiante!
Que princípio é este?Através deste argumento , dez por cento de nossa vida está relacionadacom o que se passa conosco, isto é com os acontecimentos involuntários, imprevisíveis, imponderáveis.
Os outros noventa por cento dependem da forma pela qual reagimos ao que se passa conosco.
O que isto quer dizer? Realmente, nós não temos controle sobre 10% do que nos sucede.
Não podemos evitar que o carro enguice, que o avião atrase, que o sinal fique vermelho, que uma doença crônica comece a se desenvolver, reduzindo a nossa liberdade de movimento...
Mas, somos nós quem determinareos oss 90% restantes de nossa vida. Como?
Com a nossa reação. Ela sim, abrirá muitas possibilidades de fatos novos.
Um exemplo corriqueiro na vida de um executivo, de 35 anos, que mora no Rio de Janeiro.
Ele está tomando o café da manhã com sua família. Sua filha, adolescente, ao pegar a xícara, deixa o café cair na sua camisa branca de trabalho. Ele não tem controle sobre isto.
Não pode evitá-lo. São os 10 por cento imprevisíveis.
O que acontecerá em seguida será determinado pela reação de um homem de classe média, sensato, razoável em suas ações programadas, mas que pode ter em um instante, uma reação rápida e impensada.
Isto são os 90 por cento evitáveis. Então, o executivo se irrita. Repreende severamente sua filha e ela começa a chorar. Ele censuara também a esposa por ter colocado a xícara muito na beira da mesa...E acontece, a paritr dali uma verdadeira batalha verbal. Contrariado e resmungando, o homem vai mudar de camisa. Quando volta, encontra sua filha chorando mais ainda e ela acaba perdendo a van que a levaria para a escola. A esposa vai pro trabalho, também aborrecida, pois acha que a reação do marido foi desproporcional.

Ele, então, tem de levar a menina de carro para a escola. Como está atrasado, dirige em alta velocidade e é multado. Depois de 15 minutos de carro parado, uma discussão com o guarda de trânsito e uma multa, os dois chegam à escola, onde a filha entra, sem se despedir de pai.
Ao chegar atrasado ao escritório, o executivo percebe que esqueceu de sua maleta.

Um dia daqueles? Lei de Murphy? Seu dia começou mal e parece que ficará pior.

Você fica ansioso pro dia acabar, as horas se arrastam, toma café, o estômago dói. Às 19 horas, após um trânsito horrível, o homem chega em casa. No meio to tumulto, os problemas do dia, o incidente da manhã já está, para ele, quase esquecido. Entra, querendo descanso, mas sua esposa e sua filha estão sérias, em silêncio e frias com ele. Que fazer?
Ele pára e pensa: Por quê?
Por causa de sua reação ao acontecido no café da manhã.
Pensa então : por quê seu dia foi péssimo?
A) por causa do café?
B) por causa de sua filha?
C) por causa de sua esposa?
D) por causa da multa de trânsito?
E) por sua própria causa?
Conclui que a resposta correta é a E.

O executivo, bancário, corretor, administrador, gerente, não teve como evitar o derramamento do café na sua camisa (10%), mas o modo como ele reagiu naqueles 5 minutos após ter-se levantado naquela manhã foi o que deixou seu dia ruim (90%).
Há outra possibilidade:O café cai na camisa daquele pai de família. Sua filha começa a chorar. Então, gentilmente ele diz a ela:

" Filha, não tem importância. Papai não se queimou e pode trocar a camisa, está bem? Mas vamos combinar todos de ter mais cuidado, ok?"

Depois de pegar outra camisa e a pasta executiva, o pai volta, olha pela janela e vê sua filha pegando a van escolar. Dá um sorriso e ela retribui, acenando com a mãozinha.Que diferença! Duas situações iguais, que terminam muito diferente.
Por quê? Porque os outros 90% são determinados por nossa reação.

Aqui temos um exemplo de como aplicar o Princípio 90/10.

Se alguém nos diz algo negativo, não levemos tão a sério. Não deixemos que os comentários negativos nos afetem tanto. Não sejamos joguetes do que chamamos destino. O nosso futuro próximo, o decorrer de um simples dia, pode ser muito diferente se cultivarmos a tranqüilidade, a oração da manhã, a paz...

Nossa primeira reação será refletida em todo o nosso dia. Como reagir a alguém que nos atrapalha no trânsito? Ficaremos transtornados? Por que? Pela pressa? E o resto do dia? Nossa saúde e a de nossa família não valem mais que quinze minutos? Golpear o volante? Xingar? Aumentar as batidas do coração e a pressão subir? O que aconteceria se o executivo perdesse o emprego? Por quê perder o sono e ficar tão chateado? Isto não funcionará.

Usemos a energia da preocupação para refazer o nosso Curriculum e encontrar um outro emprego, sem auto-piedade.

O mundo não espera nossa aflição passar para continuar girando.

Se nosso vôo ou o nosso ônibus está atrasado, se vai atrapalhar a nossa programação do dia, por quê manifestar frustração com o funcionário da companhia? Ele não pode fazer nada.

Usemos então o tempo para ler, fazer contatos, conhecer os outros passageiros. Estressar-se, entrar em "função turbo" no coração, só pode agravar os acontecimentos.

Conhecendo o Princípio 90/10, utilizemo-lo!

Ele nos surpreenderá com os resultados e nós certamente não nos se arrependeremos de empregá-lo, como se estivéssemos num jogo. Num grande show, num big reality-show da vida. Será até divertido. Às vezes riremos à toa e as pessoas nem entenderão por que estaremos rindo diante de um aparente revés da vida.

Milhares de pessoas estão sofrendo de um estresse, uma pressa, uma luta, uma fuga, ma tensão, que não tem sentido. São sofrimentos antecipados, problemas que ainda estariam por vir, dores de cabeça a respeito de possibilidades ainda não ocorridas, tudo fruto de um pessimismo moderno, espalhado sabe-se lá por quem.

Todos devemos conhecer e praticar o Princípio 90/10.

Pode mudar a nossa vida!!

A conversa que cura

Recebi por e-mail um artigo muito interessante

A conversa que cura 
Em Junho/2009 o correspondente da Globo News nos EUA, Jorge Pontual, em entrevista interessante com o médico de 85 anos, dr. John Sarno , um dos mais conceituados fisiologistas de lá, que há anos desenvolve uma forma que vem se mostrando como eficaz no tratamento de sintomas aparentemente incuráveis: uma conversa franca. Costuma fazer o que era a "regra" antigamente na relação médico/paciente: conversar uns minutos com a "doença" e dar maior atenção e tempo ao "doente". Na entrevista há um trecho destacado - (...) Jorge Pontual: O que está acontecendo com a profissão de médicos?
Dr. John Sarno: "Essa é uma boa pergunta. Eles têm a mentalidade de mecânicos de automóvel. Pois eles eram bem melhor há 80 anos, 90 anos. Os médicos ficaram muito apaixondos pelos laboratórios, pelas radiografias, pelas ressonâncias manéticas e por ai vai. E isso, realmente, se manteve como parte da cultura, mas é uma postura muito ingênua no que diz respeito aos distúrbios mente-corporais. É lamentável, porque, virtualmente, todas as doenças físicas, tem um elemento psicológico. Ás vezes......."
Durante anos o dr. Sarno analisou seus pacientes e identificou conflitos emocionais inconscientes em quase todos eles. Passou a tratá-los na base da conversa, tentando descobrir a dor emocional escondida em cada um deles e quase todos sintomas desapareceram.
John Sarno cunhou a expressão “Síndrome do corpo-mente”.
Seus livros sobre o assunto se tornaram rapidamente sucesso de vendas nos EUA: as idéias dele sobre a síndrome mentecorpo estão em “Healing Back Pain: The Mindbody Connection” (Tratando a Dor nas Costas: a Conexão Mentecorpo), 1991, “The Mindbody Prescription” (A Receita Mentecorpo), 1999, “Mind Over Back Pain” (Mente Acima da Dor nas Costas), 1999, e “The Divided Mind: the Epidemic of Mindbody Disorders” (A Mente Dividida: a Epidemia de Distúrbios Mentecorpo), 2007. Até o momento, edições brasileiras não existem .
Assista uma entrevista completa (em 3 vídeos)

domingo, 18 de julho de 2010

Mimulus - A flor da Coragem

Hoje quero falar o floral Mimulus, o floral da Coragem.

Mimulus nasce geralmente a beira dos rios, córregos e lugares úmidos, sem medo das correntezas suas raízes se afundam  e se agarram fortemente ao cascalho, é um floral que trabalha a coragem e a confiança, sua cor amarelo-dourado, leva harmonia e o amor para a pessoa que tem medo de ser e que se afasta da luz. Segundo Mechthild Scheffer quando à noite acendemos uma lâmpada, a luz sai pela janela e conquista a escuridão lá fora, porém a escuridão não entra na sala iluminada; devemos sempre alimentar essa luz, nossa própria luz, confiando em nós mesmos para ter energias para enfrentar todas as adversidades.
A coragem é uma virtude, quando essa virtude está em desiquilibrio sentimos falta de confiança em nós mesmos, abrimos buracos onde o medo entra e se instala, algumas vezes nos impedindo de seguir em frente em nossos planos, muitos sintomas podem surgir como tensão, ansiedade, angústia, ambivalência, pânico, apreensão, vergonha, etc; esses sintomas pode passar para aspectos psicossomáticos trazendo problemas respiratórios, digestivos, cardiovasculares, hipoglicemia, diminuição das defesas imunológicas.
O papel do floral Mimulus é resgatar a luz interior, nossa coragem, conscientizar de que o medo é um produto da mente, que deve ser enfrentado, para nosso crescimento, Mimulus reequilibra as emoçoes e desenvolve a compreensão.

Impensável (Unthinkable)

Impensável, ao ver o título me coloquei a pensar sobre o que seria impensável, o filme começou, e me fez lembrar do filme O suspeito (Rendition, 2007) onde um agente da CIA acompanhou um interrogatório de um suspeito de terrorismo com tortura, onde o suspeito era de longe um terrorista, no filme Impensável quem acompanhou o interrogatório foi uma agente do FBI, e o interrogado não era apenas suspeito, ele mesmo gravou um video com detalhes sobre 3 bombas nucleares que fabricou e colocou em partes distintas dos EUA, se deixou capturar, sabendo que passaria por um interrogatório como aquele. Samuel L. Jackson fez um papel ambiguo, não era o mocinho, também não era o vilão, teria que fazer o impensável para fazer o terrorista dar o endereço das suas bombas. O impensável, a tortura, a loucura.

A ilha do medo


Adorei o filme, A ilha do medo, um ótimo suspense, surpreendente! não era pra menos, história de Martin Scorsese... Um filme ótimo para os estudiosos do comportamento e mente humana! Esse filme me fez lembrar de um livro que li chamado Psicossomática, não me lembro o autor, ainda nas páginas introdutórias eu me indagava sobre nossa condição humana tão vulnerável, somos o que somos, mas nossa mente pode criar mundos inimaginaveis, pode também criar doenças, ou curar doenças... Nossa mente pode criar realidades que não existem, criar mentiras às quais acreditamos piamente...transformar mocinhos em vilões e vice-versa.
"O valor das coisas não está no tempo em que elas duram,
mas na intensidade com que acontecem.
Por isso existem momentos inesquecíveis,
coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis".
(Fernando Pessoa)

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Ovnis na China

É tão incrível pensar na imensidão do universo, pensar na possibilidade de não estarmo sozinhos na galáxia! Meu irmão está sempre lendo sobre o assunto, e vira e mexe me trás alguma notícia, essa semana me surpreendeu com o relato de que um disco luminoso sobrevoou a china, esse tipo de notícias nunca é muito levada em conta, quase nunca falam sobre isso na TV, achei tão interessante que resolvi postar aqui a notícia, podem ler também aqui.


16/07/2010 13h50 - Atualizado em 16/07/2010 13h50

Disco luminoso sobrevoa povoado e intriga moradores na China

Testemunhas fotografaram objeto voador nos céus de Hangzho.
Aeroporto de Xiaoshan atrasou 18 voos no dia 7 de julho.

Do G1, em São Paulo
Um objeto luminoso no céu de Hangzhou, na China, chamou a atenção de moradores e fez com que o aeroporto de Xiaoshan quase fosse fechado no dia 7 de julho. Segundo o noticiário do canal ABC News, 18 voos foram atrasados na ocasião.
Testemunhas fotografaram o objeto, parecido com um disco luminoso, e contaram ao jornal “China Daily” que este se tratava de um objeto voador não-identificado. As investigações sobre o caso estão em andamento.

Mensagem de Chico Xavier

Nasceste no lar que precisavas,
Vestiste o corpo físico que merecias,
Moras onde melhor Deus te proporcionou,
De acordo com teu adiantamento.
Possuis os recursos financeiros coerentes
Com as tuas necessidades, nem mais,
nem menos, mas o justo para as tuas lutas terrenas.
Teu ambiente de trabalho é o que elegeste
espontaneamente para a tua realização.
Teus parentes, amigos são as almas que atraíste,
com tua própria afinidade.
Portanto, teu destino está constantemente sob teu controle.
Tu escolhes, recolhes, eleges, atrais,
buscas, expulsas, modificas tudo aquilo
que te rodeia a existência.
Teus pensamentos e vontade são a chave de teus atos e atitudes....
São as fontes de atração e repulsão na tua jornada vivência.
Não reclames nem te faças de vítima.
Antes de tudo, analisa e observa.
A mudança está em tuas mãos.
Reprograma tua meta,
Busca o bem e viverás melhor.
Embora ninguém possa voltar atrás e
fazer um novo começo,
Qualquer Um pode Começar agora e fazer um Novo Fim.

*Chico Xavier

Parábola da Rosa

Um certo homem plantou uma rosa e passou a regá-la constantemente e, antes que ela desabrochasse, ele a examinou ele viu o botão que em breve desabrocharia, mas notou espinhos.
Sobre o talo e pensou, “Como Pode uma bela flor vir de uma planta rodeada de espinhos tão afiados?”
Entristecido por este pensamento, ele se recusou a regar a rosa, e, antes que estivesse pronta para desabrochar, ela morreu.
Assim é com muitas pessoas.
Dentro de cada alma há uma rosa: as qualidades dadas por Deus e plantadas em nós crescendo em meio aos espinhos de nossas faltas.
Muitos de nós olhamos para nós mesmos e vemos apenas os espinhos, os defeitos.
Nós nos desesperamos, achando que nada de bom pode vir de nosso interior. Nós nos recusamos a regar o bem dentro de nós, e, conseqüentemente isso morre.
Nós nunca percebemos o nosso potencial.
Algumas pessoas não vêem a rosa dentro delas mesmas.
Alguém mais deve mostrá-la a elas.
Um dos maiores dons que uma pessoa pode possuir ou compartilhar é ser capaz de passar pelos espinhos e encontrar a rosa dentro de outras pessoas.
Esta é a característica do amor: olhar uma pessoa e conhecer suas verdadeiras faltas.
Aceitar aquela pessoa na sua vida, enquanto reconhece a beleza em sua alma e ajuda-a a perceber que ela pode superar suas aparentes imperfeições.
Se nós mostrarmos a essas pessoas a rosa, elas superarão seus próprios espinhos.
Só assim elas poderão desabrochar muitas e muitas vezes.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

O sentido da vida

Algumas vezes me pergunto, qual o sentido da existência? Muitos filósofos, poetas, escritores escreveram a respeito, buscando resposta para tão difícil questão, um estudo americano buscou por respostas, e chegou a conclusão que o sentido da vida é desfrutá-la, me pareceu uma resposta simples, mas uma resposta sensata, afinal grandes nomes como Sigmund Freud, criador da psicanálise, e os escritores Frank Kafka, Jean-Paul Sartre e Joseph Conrad disseram que a vida não tem sentido, e pensar assim é além de ser simplista, é ser pessimista demais! Não poderia não ter sentido estar vivo, existir! 
Eu acredito que o sentido da vida está em estar vivo, e estando vivos devemos aproveitar cada instante, cada momento, cada descoberta, cada aventura. Sendo assim, concordo com o estudo americano, o sentido é aproveitar a vida, é vive-la! Se hoje chove, aproveite! se está frio, aproveite! se faz calor, aproveite! se você está apaixonado, aproveite! quando as coisas não estiverem indo bem, aproveite, você pode tentar fazê-las melhorar!
Tem muita coisa ruim acontecendo no mundo, e às vezes as coisas parecem perder o sentido, busque um novo sentido, trace metas, tenha coragem, não perca a fé! Viver é uma grande aventura, onde você e suas atitudes são o que determinam o que acontecerá a seguir! Não viva procurando por problemas, viva encontrando soluções!

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Lenda Chinesa

Hoje me contaram uma história muito interessante, uma lenda chinesa que é uma verdadeira lição de vida...





Era uma vez uma jovem chamada Lin, que se casou e foi viver com o marido na casa da sogra. Depois de algum tempo, começou a ver que não se adaptava à sogra. Os temperamentos eram muito diferentes e Lin se irritava com os hábitos e costumes da sogra, que criticava cada vez mais com insistência.
Com o passar dos meses, as coisas foram piorando, a ponto de a vida se tornar insuportável. No entanto, segundo as tradições antigas da China, a nora tem que estar sempre a serviço da sogra e obedecer-lhe em tudo.
Mas Lin, não suportando por mais tempo a idéia de viver com a sogra, tomou a decisão de ir consultar um Mestre, velho amigo do seu pai.
Depois de ouvir a jovem, o Mestre Huang pegou num ramalhete de ervas medicinais e disse-lhe: - “Para te livrares da tua sogra, não as deves usar de uma só vez, pois isso poderia causar suspeitas. Vais misturá-las com a comida, pouco a pouco, dia após dia, e assim ela vai-se envenenando lentamente.
Mas, para teres a certeza de que, quando ela morrer, ninguém suspeitará de ti, deverás ter muito cuidado em tratá-la sempre com muita amizade. Não discutas e ajuda-a a resolver os seus problemas”.
Lin respondeu: Obrigado, Mestre Huang, farei tudo o que me recomenda”. Lin ficou muito contente e voltou entusiasmada com o projeto de assassinar a sogra.
Durante várias semanas Lin serviu, dia sim, dia não, uma refeição preparada especialmente para a sogra. E tinha sempre presente a recomendação de Mestre Huang para evitar suspeitas: controlava o temperamento, obedecia à sogra em tudo e tratava-a como se fosse a sua própria mãe.
Passados seis meses, toda a família estava mudada. Lin controlava bem o seu temperamento e quase nunca se aborrecia. Durantes estes meses, não teve uma única discussão com a sogra, que também se mostrava muito mais amável e mais fácil de tratar com ela.
As atitudes da sogra também mudaram e ambas passaram a tratar-se como mãe e filha. Certo dia, Lin foi procurar o Mestre Huang, para lhe pedir ajuda e disse-lhe: “Mestre, por favor, ajude-me a evitar que o veneno venha a matar a minha sogra. É que ela transformou-se numa mulher agradável e gosto dela como se fosse a minha mãe. Não quero que ela morra por causa do veneno que lhe dou.”
Mestre Huang sorriu e abanou a cabeça: “Lin, não te preocupes. A tua sogra não mudou. Quem mudou foste tu. As ervas que te dei são vitaminas para melhorar a saúde. O veneno estava nas tuas atitudes, mas foi sendo substituído pelo amor e carinho que lhe começaste a dedicar”.
Na China, há um provérbio que diz: “A pessoa que ama os outros também será amada”. E os árabes têm outro provérbio: “O nosso inimigo não é aquele que nos odeia, mas aquele que nós odiamos”. As pessoas que mais nos dão dor de cabeça hoje poderão vir a ser as que mais nos darão alegrias no futuro. Invista nelas...cative-as, ouça-as, cruze seu mundo com o mundo delas. Plante sementes. Não espere o resultado imediato...colha com paciência.

Nossas atitudes são determinantes, a maneira como agimos e pensamos faz de nós o que somos e torna o ambiente em vivemos o que ele é, se quiser viver em harmonia com o próximo deve viver em harmonia consigo mesmo, deve tratar as pessoas com o amor e respeito, gentileza gera gentiliza, amor essa é a palavra chave! 

Uma boa frase para hoje:

" Não seja duro consigo mesmo. Você veio nesta vida para aprender tudo sobre quem você é! Então aproveite a experiência!"

domingo, 4 de julho de 2010

O desinformante

Outro filme excelente que vi essa semana, O Desinformante, com Matt Damon, esse filme é baseado numa história real, eu adoro filmes assim, esse é um filme interessante para os estudiosos do comportamento, porque o protagonista Mark Whitacre é uma figura um tanto curiosa, dono de uma imaginação muito fértil e de uma personalidade contestavél. Eu gostei da maneira que ele vai narrando a sua própria história, faz lembrar aquele ditado que diz que uma mentira repetida muitas vezes passa se tornar verdade, Whiatacre levava esse ditado a sério, pena que ele apesar de muito inteligente tinha também um ego gigante que o impedia de reparar o tamanho da encrenca em que se metia... não vou contar a história toda do filme, porque senão perde a graça, mas posso dizer que vocês vão se surpreender, e passar a tomar cuidado com as pessoas boazinhas e cheias de virtudes que vêm por aí!!!
Quem vê cara não vê coração!!!

E vale a pena dizer e relembrar que hoje em dia qualquer um que apresenta um desvio de conduta apela à psicologia, à psiquiatria, alega problemas, transtornos, eu acredito que existem personalidades que saem do padrão de normalidade e abusam em certas condutas, mas nem por isso podem ser enquandradas num DSM, tem gente que é ruim mesmo, que é esperto, que é sacana, e esses não podem ser tratados como doentes, mas como infratores da lei.

A caixa

Tinha visto várias vezes o trailler do filme A caixa (the box), e estava curiosa, hoje finalmente assisti ao filme e confesso que superou minhas espectativas, um filme muito bom, é daqueles filmes que agente mal pisca, recomendo para quem gosta de um pouco de suspense. Esse filme trás uma lição de moral muito importante, nessa sociedade capitalista e egoísta. As vezes uma oportunidade nos aparece, oportunidade ganhar dinheiro, muito dinheiro, de maneira rápida e fácil, mas algumas decisões podem mudar não só as nossas próprias vidas, mas a vida de pessoas que nem conhecemos... estamos todos ligados, numa rede de acontecimentos e algumas decisões podem se voltar contra nós mesmo...
Esse filme vem com aquela mensagem de que o homem está ele proprio se destruindo, se existe vida em outros planetas agente, agente que eu digo pessoas normais não temos certeza, existem mistérios, segredos a respeito da existencia de outros seres, mas eu acredito que não somos o organismo mais inteligente no universo, afinal se existimos outras formas de vida tão inteligentes quanto ou até mais podem existir também, e porque não estariam nos observando?
O ser humano é muito complexo, gostei desse filme porque ele mostra como somos complexos, complexos porque somos seres emocionais, o cérebro, a mente são coisas fantasticas....

sábado, 3 de julho de 2010

Saudade

Vai e vem,
Dizia a canção de infância
Vai e vem,
Vem e volta
e assim também é na vida
Momentos vão, momentos vem
E tudo se resume em uma só palavra
pequena palavra que grandes sentimentos guarda
...Saudade...

Saudade é sentir falta,
às vezes é mais que só sentir
é reviver,
é vontade de viver dinovo

Saudade
quando dá saudade
parece que o tempo para
mesmo sem ter uma caixinha de recordações
tudo se abre, saltam imagens
o passado por instantes se faz presente
tudo isso na saudade

Dá saudade do que vai
Dá saudade do que vai voltar
Que vontade de dizer vem
Vem, volta pros braços meus
Faz de mim passarinho
Tira de mim o medo
Esconde de mim.... a saudade!!!!