sexta-feira, 29 de abril de 2011

Saudade

...Saudade é amar um passado que ainda não passou,
É recusar um presente que nos machuca,
É não ver o futuro que nos convida...

Hoje estou sentindo saudades... às vezes ela se faz sentir... fui procurar algum poema, alguma frase, que expressasse o que estou sentindo, Pablo Neruda caiu como uma luva.
O futuro faz um convite, cada dia é uma oportunidade que temos de construir algo melhor, existem coisas que devemos deixar partir, para podermos encontrar novas coisas... essa saudade que sinto é de um passado que já passou.... e trás para o meu presente um sentimento que já não cabe mais, porque essa saudade às vezes faz doer. Ciente disso acredito que o melhor é olhar para frente, seguir meus passos, não olhar as pegadas. Nenhum dia é o mesmo dia, nem todo dia 10 é dia 10, visto que cada dia 10 pertence a um mês diferente, de um ano diferente, de uma década diferente; a atenção agora deve estar no 'agora', no dia que vivo hoje, e nas oportunidades que ele me trará... 
Mas lembrando, cada um tem uma maneira de sentir, e cada momento é um momento.... espero ter momentos em que esse poema de Neruda já não se encaixe tão bem.
E fecho esse pensamento com as palavras de um dos meus poetas preferidos.

Eu amo tudo o que foi
Tudo o que já não é
A dor que já não me dói
A antiga e errônea fé
O ontem que a dor deixou
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

The love I found in you

Eu estava procurando por umas músicas pra colocar numa apresentação, acabei baixando essa, The love I found in you, uma música hiper romântica, e sem querer me levou no tempo, para algum tempo atrás, tempo que as vezes tento esquecer, mas tudo na vida são degraus, que nos ajudam a subir de alguma maneira, evoluir.
Então percebo que na verdade agente não pode apagar certas coisas, nem deve, apenas guarda-las com carinho, mesmo aquelas que nos trouxeram alguma amargura, essas mais que todas devem ser guardadas com carinho.
Tudo acontece por algum motivo, para nossa evolução, de tudo sempre fica um aprendizado. Essa viagem que fiz no tempo me fez perceber a importância do amor, e que muitas vezes não podemos acreditar apenas em palavras, o amor que encontrei um dia nasceu de palavras... e assim como a letra dessa música as palavras conseguem tocar fundo nosso coração; mas hoje percebo que o amor vai além do que as palavras expressam, dizer Eu ti Amo, é reunir essas palavras e emitir o som agradavel da frase, mas sentir... sentir amor... é algo além, além das palvavras. 
Acredito no amor, mas aprendi que ele nasce de fonte pura, que não é necessário nenhuma palavra para saber que ele existe, não é necessário nada além do sentir... sentir para expressá-lo, sentir para recebe-lo. E uma linda melodia como essa, nos faz sentir cada palavra de uma maneira especial, assim que estou sentindo agora, de uma maneira especial.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

GRATIDÃO


Sathya Sai Baba

Os estudantes precisam cultivar a gratidão, a compaixão e a tolerância. A compaixão para com os que estão na miséria é uma qualidade humana fundamental. Também devem desenvolver o sentido de gratidão. Sentimos-nos agradecidos a alguém que nos alimenta quando estamos consumidos pela fome, ao médico que nos cura da doença, ao amigo que nos tira de um poço, ao funcionário que nos dá emprego quando necessitamos dele desesperadamente. Porém quem se sente agradecido a Deus, que nos equipou com este corpo maravilhoso e nos dotou de qualidades e habilidades para sobreviver com o passar do tempo?
Alexandre Magno agradeceu sua mãe pelo seu corpo. Mas também disse que tinha que agradecer mais ainda a Deus, por tê-la feito carregar o corpo dele no próprio seio e lhe dar à luz.
A juventude é a etapa da vida onde o mínimo movimento em direção ao equivoco significará desastre. Os pensamentos dão forma à carreira. Vocês planejam ganhar muito dinheiro, porque crêem que os ricos são muito felizes. Eles têm o que comer em abundância, mas não têm apetite. Os ricos disputam o poder sobre os outros, mas continuam prisioneiros da doença. Podem ter muitos empregados, mas não podem viver em paz. Portanto, pensem em serem ricos de virtude, devoção e dedicação às boas causas. Sejam ricos de caráter soberano.
O que é exatamente o caráter? Firme adesão à verdade, à renúncia, ao amor genuíno, ao serviço altruísta: estes são os componentes essenciais do caráter. Sigam os ditames de sua consciência: jamais se enganarão.

-- 
"Você nunca sabe que resultados virão da sua ação. Mas se você não fizer nada, não existirão resultados." Mahatma Gandhi

terça-feira, 26 de abril de 2011

“Comece em você tudo aquilo que quer mudar no outro”

“Comece em você tudo aquilo que quer mudar no outro”

Hoje essa frase veio me chamar a atenção, ela estava num convite para uma palestra; a pouco chego de uma outra palestra que entre outras tantas coisas falava justamente sobre o conteúdo dessa mesma frase... 
Muitas vezes nos vemos apontando o defeito do outro, o problema do outro, a vida do outro, de maneira crítica. Parece que sempre temos a solução para os problemas do próximo, é só ele ser mais positivo, é só ele ser mais corajoso, mais determinado, menos responsável ou mais responsável; palpitar a vida alheia é fácil, difícil é olhar os próprios problemas.
Sempre me pego pensando na vida das pessoas que me cercam, vejo tantas pessoas repetindo os mesmos erros, buscando caminhos errados, achando que estão no certo, outros parados no tempo enquanto o tempo passa, fico pensando maneiras para ajudar, maneiras para mostrar a eles como tudo pode ser mais simples. Então hoje me deparo com essa fatídica frase:“Comece em você tudo aquilo que quer mudar no outro”.

Nessa palestra que acabo de chegar, o palestrante usou uma história para ilustrar uma de suas respostas a uma questão bem pertinente; alguém começou contar que desejava montar um tipo de projeto para dar suporte às gestantes carentes, orientando-as e de certa maneira ensinando sobre o desenvolvimento embrionário, a capacidade e potencial do cérebro, etc... afim de que essas crianças, de certa forma mais estimuladas, pudessem no futuro ter mais oportunidades. Então o palestrante falou sobre o homem que observava um casulo, de onde uma borboleta se esforçava para sair, olhando a dificuldade da borboleta o homem querendo ajudar abriu um buraco no casulo, para facilitar a saída da borboleta, mas bem se sabe que aquele esforço era necessário à borboleta, para que ela ganhasse força em suas asas, para que pudesse livre do casulo voar. Interessante que estou montando um trabalho para uma amiga e nele contém essa história, A lição da Borboleta, e hoje novamente ouço essa história, e agora faz sentido a mensagem para minha vida. Quando nós mesmos nos colocamos no lugar da frágil borboleta, lutando para sair do casulo, percebemos, sem esforço não ganharemos força para enfrentar a vida, se aceitarmos uma mão inadvertida que nos é estendida, afim de facilitar nossa prova, talvez não teremos forças na prova que vem a seguir. 
Algumas vezes ao tentar mudar a vida do outro, tentando ajudá-lo podemos estar atrapalhando, o privando daquela experiência que tem a função de ensinar alguma lição importante a ele. Por isso devemos respeitar o tempo de cada um, assim como saber esperar o nosso próprio tempo para intervir, o tempo em que se for solicitado, ou o tempo em que se fizer realmente necessário estender a mão.
Por isso é interessante intervir primeiro na própria vida, começar em nós mesmos aquilo que queremos mudar no outro.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Poder além da vida (2006)

É curioso como nada acontece por acaso, tem várias semanas fui até a locadora da cidade procurar por algum filme, não sabia o que queria na verdade, passeando pela estante do gênero Drama encontrei esse título que me chamou a atenção: Poder Além da Vida, como sou fã de filmes baseandos em histórias reais fiquei curiosa, quando cheguei ao balção tive a triste notícia de que aquele filme, o DVD estava perdido, deviam ter guardardo no lugar errado e por isso não encontravam, fui embora então sem levar nenhum outro, naquele final de semana fui ao cinema e vi um outro filme que agora não me lembro qual foi; no final de semana seguinte fui à locadora novamente e logo que cheguei a moça do balcão me disse que encontrou o filme Poder Além da Vida, caso eu ainda quisesse vê-lo, eu até fiquei contente com a notícia, mas preferi locar o filme Meu querido John. Esses últimos dias esse filme não me saia da cabeça, preciso assistir Poder além da vida, pensava eu, loquei então numa sexta feira, mesmo sabendo que não teria tempo para vê-lo, acabei me esforçando para assistir no sábado de manhã, coisa que não costumo fazer. Depois cena à cena fui me envolvendo, me interessando mais e mais pelo que viria a seguir, confesso que estava hiper irritada com o comportamento de Dan Millman (Scott Mechlowicz), um jovem inconsequente, como tantos jovens vaidosos que nos deparamos no nosso dia a dia, uma pessoa cheia de talento, mas com tão poucas virtudes. Numa noite Dan tem um sonho muito curioso que o deixa assustado, ele que é ginasta, se vê em uma apresentação, ao finalizar chegando ao chão vê sua perna se despedaçar, com o rosto no chão vê os pedaços sendo recolhidos por um homem que calça sapatos de mesmo modelo, mas de cores diferentes. Assustado e sem sono, Dan vai até um posto de gasolina, conveniência, onde curiosamente é atendido por um homem calçando sapatos como os que viu em seu sonho, esse encontro então vai mudar significativamente a vida de Dan.
Eu acredito que Socrates era nada mais do que o próprio Dan, ajudando-o a encontrar-se na vida e superar o que estava por vir. 
Um mundo vazio, é o que a maioria das pessoas tem dentro de si, um vazio que muitos ignoram na busca desenfreada por realização material, realização essa que pode passar por cima de quem quer que seja, Dan vivia esse vazio existencial, apesar de pensar ter tudo não tinha nada além de um ego inflado que o levava a própria destruição. Muitos de nós assim como Dan somos levados por esse Ego, que nos deixa de certa maneira cegos frente a vida que realmente importa ver. 

Gostei muito desse filme, por que ele nos leva a perceber que temos dentro de nós mesmos as respostas para todas as nossas perguntas, basta nos colocarmos a desejar ouvir nossa voz interior, Dan fez isso motivado por Socrates, ele se colocou a ouvir os conselhos daquele senhor, em muitos momentos exitou, duvidou, mas a própria vida foi lhe mostrando que ele não poderia fugir do inevitável, o que fazia aumentar o desejo de ouvir os conselhos de Socrates. Como se naquele sonho ele inicia-se uma buscar por si mesmo. 
Todo momento estão acontecendo coisas incríveis ao nosso redor, coisas maravilhosas, devemos estar atentos, e deixarmos a pressa de lado. O momento mais importante é o AGORA.
Fico feliz por ter visto esse filme, e foi muito interessante tê-lo visto agora e não antes, porque justo essa semana que passou estava pensando em como eu poderia encontrar-me com meu eu interior, como eu saberia que estou no caminho certo. Para encontrar com o eu interior se faz necessário retirar  todo o lixo, fazer uma grande limpeza, para saber sobre o caminho, é importante tirar um tempo para meditação, olhar ao redor, apreciar aquelas que chamamos de pequenas coisas, e o mais importate de tudo, viver o AGORA.
Não importa o destino..... a felicidade está no trajeto!

Vou usar aqui o que encontrei numa análise sobre esse filme:


Neste sentido a mensagem final nos faz pensar em alguns fatores chaves:

a) O que realmente queremos da vida e o poder que temos agora?
Não basta acumularmos conhecimento é necessário sabedoria, pois sabedoria é colocar em prática o conhecimento.

b) O que podemos fazer para mergulharmos em nosso interior, nos auto-conhecer, para melhorar nossa vida?
È necessário estarmos atentos para saber escutar e refletir sobre nossos atos.

c) A felicidade não se é obtida no final de uma conquista, mas sim durante seu desenrolar ou caminho.
É incrível como as experiências pelas quais somos submetidos ao longo da vida modificam nosso comportamento, sendo preciso uma derrota para se dar valor ao todo.

d) Todos temos em nosso interior, um gigante em potencial adormecido, o nosso espírito humano de superação, basta acreditarmos e liberta-lo, sendo 100% decidido no que fazemos e acreditando sempre que podemos ir além. 

 (fonte:http://www.via6.com/topico/184411/analise-do-filme-o-poder-alem-da-vida)
 

As quatro verdades de Buda

Estava pensando sobre algumas questões da vida e resolvi pesquisar sobre o budismo, encontrei então as quatro grandes verdades de Buda:

A existência implica a dor -- O nascimento, a idade, a morte e os desejos são sofrimentos.

A origem da dor é o desejo e o afeto -- As pessoas buscam prazeres que não duram muito tempo e buscam alegria que leva a mais sofrimento.

O fim da dor -- só é possível com o fim do desejo.

A Quarta Verdade -- se prega que a superação da dor só pode ser alcançada através de oito passos: 

Compreensão correta: a pessoa deve aceitar as Quatro Verdades e os oito passos de Buda.
Pensamento correto: A pessoa deve renunciar todo prazer através dos sentidos e o pensamento mal.
Linguagem correta: A pessoa não deve mentir, enganar ou abusar de ninguém.
Comportamento correto: A pessoa não deve destruir nenhuma criatura, ou cometer atos ilegais.
Modo de vida correto: O modo de vida não deve trazer prejuízo a nada ou a ninguém.
Esforço correto: A pessoa deve evitar qualquer mal hábito e desfazer de qualquer um que o possua.
Desígnio correto: A pessoa deve observar, estar alerta, livre de desejo e da dor.
Meditação correta: Ao abandonar todos os prazeres sensuais, as más qualidades, alegrias e dores, a pessoa deve entrar nos quatro gráus da meditação, que são produzidos pela concentração.

Isso me fez lembrar de um trabalho da faculdade, sobre o Desejo segundo Freud, na verdade o ser humano realmente vive movido pelo desejo, até postei algo sobre isso (leia aqui), agora lendo as verdades de Buda percebo quanto o desejo nos faz reféns de uma vida incompleta e infeliz, não só o desejo, mas como nos diz buda também os afetos.
Desejamos ter, no lugar de desejar ser; desejamos coisas que só a curto prazo podem nos trazer algum tipo de prazer, quando o mais correto seria buscar por coisas que permaneçam a longo prazo, essas coisas geralmente estão dentro de nós mesmos, porque já nascemos donos delas, apenas esquecemos com o decorrer da vida de que a maior felicidade encontrasse no próprio interior e não nas coisas do exterior. As coisas no exterior são um reflexo da nossa condição interior. 
Nesse momento fico imaginando uma sociedade seguidora dos ensinamentos de Buda, como seria diferente, como haveria mais paz, mais harmonia... será que um dia algo assim será possível?

segunda-feira, 11 de abril de 2011

As mães de Chico Xavier - Minha cena preferida

Esse final de semana por duas vezes me fez lembrar um trecho do filme As mães de Chico Xavier, uma cena muito bonita, a minha preferida. Elisa é mãe de Theo, que está para completar 5 anos, um dia Theo vai passear com a babá de bicicleta, ambos saem feliz com o passeio, mas por se assustar com um cachorro a babá perde o controle da bicicleta e Theo cai, batendo a cabeça; dias depois o menino se queixa de dores fortes na cabeça é internado e morre. Elisa vai visitar Chico Xavier e ele sabendo do acontecido lhe pergunta se ela já agradeceu a babá, ela fica um pouco surpresa com essa pergunta, diz ao Chico que já perdoou, mas agradecer não, talvez nem tivesse lhe passado pela cabeça isso, e por isso mesmo essa é uma das minhas cenas preferidas, porque sei que é baseada num fato real, e agente muitas vezes só vê um lado da moeda, e geralmente olhamos apenas para o lado que nos convêm. Chico então naquela imensa generosidade explica à Elisa que a babá foi um instrumento usado para o desencarne de Theo, imagine se Theo tivesse caido dos braços da mãe, que culpa se instalaria com sua morte prematura, nada acontece por acaso, tudo tem um propósito maior, nós que muitas vezes insistimos em fechar nossos olhos para aquilo que está tão claro à nossa frente, Chico tinha algo raro, tinha essa capacidade de ver além, de sentir com a alma imortal e sábia, mas tarde Theo através da psicografica envia a mãe notícias, e lhe explica que ele já nascera com uma doença, o tombo só veio a manifestar aquilo que com certeza mais cedo ou mais tarde se manifestaria, outra parte tocante, afinal ao que nós transmite o filme, Theo não sofreu, talvez se não sofresse o tombo, sua doença se manifestaria mais tarde, trazendo talvez maior dor, ressalto: Nada acontece por Acaso.
Agradecer, acho que essa é a palavra chave, junto com as palavras perdão e amor.

Uma linda semana de paz para todos!!!

domingo, 3 de abril de 2011

As mães de Chico Xavier - Filme 2011

Acabo de assistir esse maravilhoso filme, As mães de Chico Xavier, que veio a enriquecer ainda mais o cinema brasileiro, além dos nossos corações, e é com o coração transbordando que escrevo, transbordando de paz.
Com certeza o mundo seria muito diferente se todos entendessem o verdadeiro próposito da palavra "vida" assim como da palavra "amor".

Estamos aqui apenas de passagem, por isso vale a pena fazer sempre o melhor, buscar sempre o melhor.